SEI PORQUE BUSCO DEUS

Quando Deus é Deus

Descobri sem querer, sem a pretensão de entendê-lo. Apenas entendi.

Nunca fui uma pessoa de todo boa. Daquelas solidárias, sempre dispostas a ajudar, dando ou emprestando o que se tem sem importar-se. O egoísmo sempre foi meu fiel escudeiro em todas as relações que estabeleci na vida, até na minha relação comigo mesma. Talvez seja o mal dos filhos únicos...E em meio a esse mar de eu, precisava de uma válvula de escape as minhas pequenas maldades e tropeços de inveja. Foi ai que Deus surgiu!

Nos conhecemos na infância. Me disseram que eu tinha que ir e precisava amá-lo. Então eu fui e amei. Não era daquelas que diziam não; aceitava passivamente a vida e tudo que colocavam de adorno nela. Tudo me parecia bonito, simples e natural.

Passei muito tempo com esse Deus pesado em minhas costas! Íamos juntos a todos os lugares e ele sempre estava ali para me lembrar que precisava ser uma boa garota. Afinal, boas garotas não erram, elas levam sempre seu Deus pesado sem nada reclamar.

Um dia, despretensiosamente, escolhi um caminho. Assim, de súbito. Resolvi escolher algo. Resolvi decidir por mim mesma. Não lembrei muito de Deus naquela hora, que por um segundo ficou um pouco mais leve.

Ah a leveza, mesmo ainda não compreendida, me fascinou. Me apaixonei por ela, foi impossível evitar! Resolvi retirar Deus das minhas costas e experimentar a sensação de correr leve. Ele me observava de longe, preocupado, mas, feliz. Passei então a deixá-lo em casa algumas vezes. Saía sem ele. Saía sem medos. E como foi importante viver essa leveza!

Passado algum tempo, me perdi dele algumas vezes. Nem sempre eu voltava a procurá-lo chegando em casa. Fomos aos poucos nos adaptando as nossas ausências. E, nessa coisa de caminhar com minhas próprias pernas, entendi de quem era a vida que eu vivia. Entendi que era minha. Procurei Deus, fizemos as pazes!

Hoje, não moramos na mesma casa. Nos separamos e nos tornamos grandes amigos. O chamo para dar algumas caminhadas pelas estradas dos meus sentimentos. Ele nunca nega minha companhia. Nem eu nego a dele quando aparece de surpresa. Nos vemos regularmente, sem a obrigação de nos amarmos e sermos felizes a todo o custo. Ando sem pesos!

Deus agora é Deus!

Deixe uma resposta