O TEMPO CERTO PARA AMAR

Quando o amor ultrapassa o tempo

No final de março/início de abril acontece na Paróquia em que frequento – e em várias outras por todo o país – a famosa encenação de Cristo, remontando a saga do Homem Deus aqui na terra, desde seu julgamento até sua ressurreição no terceiro dia. Já participo do evento há alguns anos, não só porque amo teatro, mas porque sinto uma alegria enorme me envolvendo em algo religioso que atinja de fato as pessoas e quem sabe, transforme para o bem seus corações.

Mas esse ano, eu é que fui transformada e por um amor bem próximo, bem real.

Era uma das últimas cenas. O Cristo era crucificado no alto da colina e nós, os figurantes e demais atores, deveríamos correr para as laterais deixando livre o espaço para o público. Foi então que lá no canto, escondidinha, percebi quando uma das narradoras saiu sutilmente do caro de som e caminhou até o meu lado, onde seu esposo que interpretava um dos fariseus estava. Ela o beijou, abraçou e disse algumas palavras doces que não consegui compreender bem na hora. Eram dois idosos, casados há cerca de 38 anos. Eram dois idosos felizes, que se amavam muito e começaram a sorrir quando todos nós percebemos seu amor.

Fui para casa pensando no poder que aquele beijo representava. Era um amor maduro, feliz, fruto de muitas alegrias e muitas adversidades. Um amor doação, onde os dois juntos se entregavam aos outros por meio dos seus dons e sonhos. Era um amor real! Vivido a cada dia, experimentado, provado a fogo. Era um amor real! E a realidade era o que mais me fazia suspirar de admiração!

Entendi então que o amor não tem tempo, não tem local, não tem gênero, não tem cor, não tem idade. O amor só tem amor. Simples assim.

E no fundo, não importa se amamos profundamente aos 16, aos 25, aos 32 ou aos 60. O que realmente importa é se amamos de maneira firme e consistente, se amamos com todo o nosso coração e com todas nossas forças. Porque é preciso muita força. Força para mudar quando for preciso e para ser mudado também, força para olhar o outro como um ser completo e não a ser completado. Força para amar a si mesmo, mais que ao outro. Força para perceber que o amor tem fases, tem recomeços, tem inícios e tem fins. Força para entender que amamos muitas vezes, de formas diferentes, de intensidades distintas, com o passar do tempo e do destino.

No fim, descobri toda aquela minha admiração é na verdade meu desejo ardente de também ser beijada daquele jeito quando completar 38 anos de casada. E para isso, começo hoje a amar com força, não só o meu amor, não só a mim, mas a realidade que amar representa.

6 comentários sobre “O TEMPO CERTO PARA AMAR”

  1. O amor e suas mais diversas definições que nos atraem porque todas elas nós trazem paz e um desejo constante de viver a dois a plena felicidade. Amei o texto! Que venham muito beijos na testa apaixonados a cada ano.

  2. Minha linda!
    Muito obrigado!
    As suas menções à como AMAR e ser AMADO, é muito profunda e construtiva.
    Beijos, nos te amamos.
    Nossa irmã em Cristo Jesus. Deus abençoe você e toda sua família.

  3. Hoje vivemos tempos de superficialidades, onde os corpos perfeitos e a aparência são exaltadas. Pois digo que nada disso é suficiente.
    Não tenho 38 anos , apenas 20 anos de um relacionamento cheio de altos e baixos, cheio de conflitos e paz e pretendo viver todos os anos de relacionamento que Deus sonhou para nós. Casamento é amor, mas também cumplicidade, amizada, compreensão, mas acima de tudo respeito pelo outro. Não nos tornamos donos uns dos outros e sim parceiros, temos que respeitar a individualidade, dar espaço para o amor crescer, prosperar. Na minha o opinião esse beijo descrito no texto carrega muito dessas situações que desccrevi. Amei seu texto Tamires! Precisamos de mais reflexões como esta.

    1. Muito obrigada por dividir isso! Não tenho dúvidas que vivemos nessa superficialidade e perceber que ainda existem pessoas que olham além disso me alegra muito!

Deixe uma resposta