FÉ, A LIVRE EXPRESSÃO DA ALMA

Diferentes pessoas, de diferentes religiões, contam sobre suas experiências de fé.

Em um tempo difícil, de muita intolerância e extremismo, nosso site quer deixar a mensagem de que o diferente nos torna únicos. E, para isso, nada melhor do que começar mudando nosso olhar sobre a fé.

Pensando na diversidade do nosso país, na multiplicidade das crenças e nas muitas formas de crer, conversamos com 6 pessoas (dispostas na entrevista em ordem alfabética), completamente diferentes e, entendemos melhor o que a fé significa para cada uma delas. Com um representante da religião espírita, um da religião católica romana, outro protestante, uma budista, uma candomblecista e uma ateia agnóstica, reconstruímos nossa visão sobre o espiritual.

Com respostas que nos transformam por dentro, a entrevista de hoje é um pedacinho de consolo em meio a tanto discurso de ódio.

 


ATEÍSMO AGNÓSTICO

Allana Costa
Sou Psicóloga, tenho 28 anos e moro em São Pedro da Aldeia.


1) O que é fé para você?
É um sentimento de crença em algo ou alguém, mesmo que não haja evidências concretas sobre sua existência; é uma atitude de confiança em meio a dúvidas.

2)Em que você tem fé?
Eu tenho fé na humanidade, na benevolência e no amor

3)Você acredita que a fé pode estar ligada apenas a Deus?
Não. Pelo contrário, entendo a fé como algo muito maior que um Deus e esse Deus só existe porque as pessoas precisam dar corporeidade a essa fé, torná-la menos abstrata, mais tangível.

4)Falando em um Deus, qual a sua religião? Você sempre seguiu essa mesma denominação?
Eu sou ateia agnóstica, mas cresci e frequentei uma igreja protestante até meus 16 anos.

5)Quais os motivos que te levaram a escolher essa religião? Ela de fato expressa sua fé?
Por crescer dentro de uma família cristã, me vi pressionada a seguir a mesma crença e isso acabou me trazendo muito desprazer. Então na tentativa de buscar esse padrão de "normatização" dentro do ambiente no qual sempre vivi e anseando por um Deus no qual me identificasse comecei a conhecer outras religiões, nesse processo de busca percebi que a minha fé transcende qualquer religiosidade ou poder superior e que não consigo me encaixar dentro um código moral único baseado na autoridade de princípios absolutos.
O ateísmo não é uma doutrina, mas uma classificação. Enquanto estilo de vida, me permite escolher individualmente, sem o peso da culpa ou de retaliação, visando sempre os meus objetivos, as minhas necessidades através dos valores que melhor me servirão para guiar a minha vida em função do sentido que eu escolher pra ela.

6)Como a sua religião enxerga a fé?
Como uma crença relativa em tudo aquilo que está evidente, que pode ser provado ou entendido, pela razão ou emoção.

7)E como você enxerga a fé dentro da sua religião?
Como algo que é construído e interpretado de forma individual e singular, sem interferência de dogmas ou valores teístas.

8)Você já passou por uma experiência profunda de fé?
Como a minha fé é atrelada a atitudes e comportamentos humanos, ela deve ser enxergada não por uma experiência transcendental, mas pela prática do dia a dia, ela cresce e sobrevive através das pequenas ações, pela bondade que surge nas pequenas coisas e habita nas pessoas apesar dos desafios que a vida impõe.

9)Como o fato de ter fé muda sua vida?
Se reflete principalmente na profissão que escolhi, a fé na vida e nas pessoas me permite se concentrar naquilo de melhor que as pessoas podem oferecer, me possibilita entender e lidar com as diferenças e respeitar o outro com todas as suas particularidades, isto me tornar uma pessoa melhor porque me responsabiliza pela construção do mundo em que estou inserida.

10)Qual mensagem sobre fé você deixa para os nossos leitores?
Os ateus assim como os teístas não compartilham necessariamente qualquer similaridade, exceto a descrença ou a crença, respectivamente. Ambos podem ser bondosos ou maldosos, santos ou pervertidos, compassivos ou cruéis, altruístas ou egoístas, individualistas ou coletivistas; cada um é o reflexo de seu temperamento e dos valores adotados individualmente. Assim, pra além de qualquer estereótipo e levando em consideração que vivemos em sociedade, o que devemos pregar é o amor ao próximo, a compaixão e a bondade acima de qualquer coisa, pois a vida é finita e o sofrimento não é opcional.

 


BUDISMO

Gabrielle
Tenho 26 anos, sou estudante de filosofia, moro no Rio de Janeiro


1)O que é fé para você?
Fé é antes de tudo acreditar em algo, e a partir disso cultivar e confiar nesse algo.

2)Em que você tem fé?
Na humanidade.

3)Você acredita que a fé pode estar ligada apenas a Deus?
Não! Acredito que podemos ter fé em muitas coisas que tem uma significância e dão sentido a nossa vida. Viver uma vida sem sentido e significado nos deixa muito perdido, e causa até depressão.

4)Falando em um Deus, qual a sua religião? Você sempre seguiu essa mesma denominação?
No momento sou Budista, e no budismo não temos um Deus, mas isso não significa negar a existência de um. No budismo podemos praticar outras religiões também. Conheço pessoas que tem em seus altares uma estatua de Buda e uma estatua de São Francisco de Assis. Eu já me aventurei em diversas religiões: Já fui Wicca, já frequentei o Kardecismo e cresci em terreiro de umbanda. Optei pelo budismo, porém nenhum conhecimento advindo destas religiões eu joguei fora,tenho respeito e carinho por todas elas. Continuo acreditando na roda do ano e na natureza, nos espíritos, nos ensinamentos morais e acendo vela aos orixás vez ou outra.

5)Quais os motivos que te levaram a escolher essa religião? Ela de fato expressa sua fé?
O budismo sempre chamou a minha atenção, mas eu achava que era algo inalcançável, ate porque meditar nunca me foi uma tarefa fácil. Eu optei pelo budismo por diversos motivos, irei listá-los:
•Eu sou uma pessoa que preza pela felicidade da humanidade e em ser o mais ética possível, e para isso não é necessário nenhum
tipo de culto, mas apenas o cultivo de si.
•Existem muitas crenças, muitos deuses, muitas coisas misteriosas e ocultas que não conseguimos determinar sua natureza, portanto
isso me deixava angustiada, então eu passei a adotar uma postura até meio agnóstica, de que deve existir coisas por ai mas como
não consigo determinar a veracidade delas acho que o melhor que posso fazer é ser uma pessoa benevolente e ética.
• Tive uma percepção de sofrimento na existência e eu realmente gostaria de romper com isso, com esse ciclo de encarnações, e
foi ai que eu percebi que estava adotando uma postura budista.

6)Como a sua religião enxerga a fé?
Minha religião respeita a fé, ela aceita todos os tipos de fé e de pessoas. Ela acredita sobretudo no potencial do ser humano evoluir. Todos somos Budas em potencial. Não existe nela nenhum julgamento, mas acolhimento, inclusive das pessoas que se encontram em estágios perturbados de suas almas. Se você estuda um pouco da cultura tibetana, você vai perceber o quanto eles levam o budismo a sério e como isso é parte inseparável deles. É uma fé muito bonita e forte.

7)E como você enxerga a fé dentro da sua religião?
A fé é o que guia toda religião, se você não tem fé no que pratica, estará fazendo um monte de movimentos mecânicos e palavras vazias. Ver de novo como eu conceituei a fé: confiança, pratica e crença.

8)Você já passou por uma experiência profunda de fé?
Não tenho certeza, como eu além de ser budista, sou filosofa, a existência é uma coisa muito profunda para mim, às vezes eu entro em crises, risos. Mas acho que sim, já teve vezes de eu sentir uma alegria imensa e vontade de chorar ao voltar meu pensamento para o Buda da compaixão e, quando eu tomei votos budistas, eu estava genuinamente satisfeita.

9)Como o fato de ter fé muda sua vida?
A fé me da esperança e me da sentido para viver. Eu tenho fé principalmente na
impermanência, que para uns pode ser triste, porque as pessoas tem apego às coisas, mas eu
já acho que é uma oportunidade de mudar, mudar sempre para melhor.

10)Qual mensagem sobre fé você deixa para os nossos leitores?
Nada é permanente, Tudo esta sempre mudando, e nisso podemos compreender que coisas ruins irão deixar de existir,e coisas melhores podem surgir, sejam eles nossos defeitos, momentos e fases ruins, tudo. Tenham fé na humanidade, não deixem de acreditar nas pessoas, nem de ajuda-las, estamos vivendo uma época onde as pessoas mais precisam de amor e sabedoria. Todos querem ser amados. Sejam benevolentes e aprendam a felicidade genuína, pratiquem o desapego pelo bem de todos os seres, inclusive o seu, e pelo bem do planeta. Enxerguem nas pequenas coisas a pulsação da vida e sorria com o sorriso dos outros, com o prato de comida, com as arvores e os pássaros. Amem e cuidem do mundo.
Vai ficar tudo bem, todos nós podemos evoluir!

 


CANDOMBLÉ

Isabele Nascimento
Tenho 23 anos, sou filha de Yemanja com Oxossi. Sou estudante, estou me formando esse fim de ano em Técnico de Segurança do Trabalho. Nasci e moro em Araruama - RJ.


1)O que é fé para você?
A fé pra mim e a base que uma pessoa precisa ter. Independente de do que acredite.

2)Em que você tem fé?
Eu tenho fé na energia, nos elementos da natureza, na força, na luz, nos nossos ancestrais....

3)Você acredita que a fé pode estar ligada apenas a Deus?
Não. Acho que não precisamos estar dentro de um templo, de uma igreja, de qualquer instituição que seja, para se ter fé.

4)Falando em um Deus, qual a sua religião? Você sempre seguiu essa mesma denominação?
Minha religião é a umbanda e o candomblé. Religião de matriz africana. Sempre segui, quando
meus pais começaram a frequentar o terreiro (no qual eu to ate hoje) eu tinha 3 aninhos de
idade.

5)Quais os motivos que te levaram a escolher essa religião? Ela de fato expressa sua fé?
Eu cresci lá dentro, mas ao mesmo tempo eu ia a igreja católica também, porque quando eu era mais nova, eu achava o máximo ir nas duas kkkk Aí, depois, eu cresci e vi que meu lugar era dentro do terreiro, era ouvindo os atabaques, vendo as cores, dançando pros orixás, rezando em forma de cantiga, me arrepiando ao ouvir os toques de cada orixá, era dançando o aluja de xango, o aguere de oxossi e todos os outros toques dos outros orixás. E não me vejo sem isso tudo, de forma alguma.

6)Como a sua religião enxerga a fé?
Enxergamos a fé como amor, caridade, o famoso "fazer o bem sem olhar a quem"

7)E como você enxerga a fé dentro da sua religião?
Particularmente, eu enxergo a fé como algo indescritível. É sentir, amar, viver aquilo, viver o sagrado.

8)Você já passou por uma experiência profunda de fé?
Sim, o sentir pra mim é a maior experiência de fé. Lendo essa pergunta, me vem na cabeça uma pequena iniciação que eu tive no candomblé... O que eu senti foi indescritível, porém, não posso contar muito disso. O candomblé é sigiloso... Enfim... Próxima.. kkk

9)Como o fato de ter fé muda sua vida?
Me faz persistir nos meus objetivos, conquistas. Tudo o que tenho, consegui através da fé.

10)Qual mensagem sobre fé você deixa para os nossos leitores?
Nossa!!! Quem sou eu pra isso... Mas, posso dizer que independente da crença, nunca deixem de ter fé.

 


CATOLICISMO ROMANO

Pe. Marcos Vinicius Santanna
Tenho 38 anos, moro atualmente em Cabo Frio, onde exerço o ministério sacerdotal na Paróquia Nossa Senhora da Assunção/ Cabo Frio.


1)O que é fé para você?
Fé é o seguimento a Cristo (sequela Christi), caminho, verdade e vida. É a resposta do homem a Deus que se revela como amor, este Deus que vem ao nosso encontro para nos salvar. É acolher e viver o ensinamento de Cristo de todo coração. É acreditar em sua Palavra, pois só Ele tem palavras de vida eterna (Jo 6,68-69). A fé católica é uma fé racional em que damos razão para a nossa fé. Tanto que Santo Agostinho nos ensina: “Creio para entender e entendo para crer”. E Santo Anselmo nos diz: “A fé busca o entendimento”. A fé é também um ato da inteligência e da vontade como dizia Santo Tomás de Aquino. A fé é o fundamento da esperança.

2)Em que você tem fé?
Minha fé está em Deus, no Deus Uno e Trino (Pai , Filho e Espírito Santo) neste Deus que eu creio, amo e espero como as três virtudes teologais nos ensinam (fé, esperança e caridade). Esta é a fé católica, a fé da Igreja, a fé apostólica, ou seja, a fé de Pedro e dos apóstolos, pois é Pedro que nos confirma na fé (Lc 22,32). A razão da nossa fé está no fato que Cristo ressuscitou dos mortos se não, vã seria a nossa fé (1Cor 15,14).

3)Você acredita que a fé pode estar ligada apenas a Deus?
Sim. A fé é este abandono nas mãos de Deus. É depender dEle, pois “sem mim nada podeis fazer” (Jo 15,5) Você pode acreditar em muitas pessoas, mas não necessariamente depender, abandonar-se à sua vontade, ao seu querer e viver deste seguimento. Como Jesus disse para Mateus: “Vem e segue-me!” (Mt 9,9). Algumas pessoas dizem eu tenho fé em você ou levo fé em você. Isto é uma maneira equívoca de se falar. A fé implica esperança mesmo contra toda esperança e “a esperança não nos decepciona ou engana” (Rm 5,5). A crença numa determinada religião politeísta ou afro-brasileira, ou seja, não cristã ou numa pessoa é a tentativa de se buscar a fé fora de Deus. Até mesmo aqueles que se dizem ateus confiam em alguma coisa ou em alguém, por exemplo, neles mesmos, ou no dinheiro, ou na razão (racionalismo prático). O ser humano é capaz de crer, mas não precisamente você pode chamar isto de fé no sentido lato da palavra. O próprio São Paulo afirma: “uma só fé, um só Senhor, um só Batismo, um só Deus” (Ef 4,5-6). Percebemos pelo texto sagrado que é uma só realidade quando falamos destes pontos.

4)Falando em um Deus, qual a sua religião? Você sempre seguiu essa mesma denominação?
Religião Católica (Catolicismo). Sim.

5)Quais os motivos que te levaram a escolher essa religião? Ela de fato expressa sua fé?
O fato de ter sido batizado desde criança. O fato de ser a única Igreja fundada por Cristo sobre Pedro e os apóstolos (Mt 16,18-19). Ele disse a minha Igreja, e não as minhas Igrejas. Percebemos também que só existe uma Igreja fundada pelo Deus que se fez Homem, Jesus Cristo. Além disso, as verdades reveladas, a sua doutrina exata sem ambiguidade, o seu Magistério, a sua Tradição, a sua História, a sucessão apostólica... Sim, com toda certeza exprime a minha fé, até porque a minha fé é a fé da Igreja.

6)Como a sua religião enxerga a fé?
A fé é dom de Deus que age e transforma a pessoa até o mais íntimo dela mesma. A fé é decidir estar com o Senhor para viver com Ele. A fé é a resposta do homem a Deus que se revela e a ele se doa. A fé é um ato da inteligência e da vontade. A fé impregna todo nosso ser, de tal maneira que ela é ruptura, salto, diálogo, encontro, decisão e abandono. O testemunho de fidelidade e de fé à lei santa de Deus, levada até à voluntária aceitação da morte. Os mártires da Igreja que preferiram a morte a cumprir o gesto idólatra de queimar incenso perante a estátua do imperador. Diante das múltiplas dificuldades e perseguições, o cristão é chamado, a dar razões de sua fé, com o auxílio da graça de Deus implorada na oração, a um compromisso por vezes heroico. (1Pd 3,15).

7)E como você enxerga a fé dentro da sua religião?
Enxergo de uma forma muita plena, segura, tranquila e sólida. Para aquele que crer nenhuma palavra é necessária, mas para aquele que não crer nenhuma palavra é possível.

8)Você já passou por uma experiência profunda de fé?
Sim.

9)Como o fato de ter fé muda sua vida?
Faz com que eu enxergue a realidade com outros olhos, ou seja, o olhar da fé, com uma visão sobrenatural, de saber que não estou sozinho e nunca estarei, de saber que o meu Senhor cuida de mim todos os dias (Mt 28,20). Enfim, é Ele que dá sentido a nossa vida, pois Ele é a vida da minha vida, meu Deus e meu tudo.

10)Qual mensagem sobre fé você deixa para os nossos leitores?
A experiência da fé em Deus é única. O encontro com o Senhor muda a nossa vida para melhor, pois Ele sempre toma a iniciativa de vir ao encontro do homem, para que o homem o encontre e assim o próprio homem se encontre nEle, pois não é o homem que encontra a verdade e a verdade que encontra o homem, pois a verdade não é algo, mas uma pessoa, Jesus Cristo: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,6). O único que dá sentido a nossa falta de sentido, Ele que é o sentido da vida.

 


ESPIRITISMO

Marcelo Turra
Tenho 49 anos, técnico ambiental de formação e auxiliar administrativo de profissão, capixaba de nascimento e cabo-friense por adoção.


1)O que é fé para você?
Fé é a resposta da razão para as minhas necessidades, dúvidas e lutas diárias.

2)Em que você tem fé?
Tenho fé na grandeza da vida, na certeza que o hoje é melhor que ontem e que o amanhã, se eu caminhar segundo minha consciência, superará o hoje.

3)Você acredita que a fé pode estar ligada apenas a Deus?
A fé, segundo o que eu creio, está ligada na razão, e a razão se fundamenta na perfeição das leis de Deus. Assim, se Deus é perfeito e nos deixou sujeito a uma lei igualmente perfeita, a fé se apresenta e se sustenta, segundo a essa lei.

4)Falando em um Deus, qual a sua religião? Você sempre seguiu essa mesma denominação?
Sou espírita, estudioso do Espiritismo codificado por Allan Kardec, porém tive meu primeiro contato, nessa vida, com religião, através do catolicismo.

5)Quais os motivos que te levaram a escolher essa religião? Ela de fato expressa sua fé?
A fome na alma e as dificuldades em racionalizar a religião onde estava atuando me conduziram ao Espiritismo. Sofria interiormente em ter que crer sem questionar, onde me via diante de dogmas que, com todo respeito que temos a eles e aos que neles depositam sua fé, deveriam ser aceitos e observados, mesmo que contrariassem toda e qualquer razão. A Doutrina Espírita, até o momento, tem me esclarecido de forma simples, objetiva e racional todas as minhas questões de fé, dessa forma expressa, em sua totalidade, a minha fé.

6)Como a sua religião enxerga a fé?
Vou utilizar um apontamento de que Allan Kardec, que está grafado no Evangelho Segundo o Espiritismo, no capítulo XXIV, ítem7, para apresentar a ideia de fé proposta pelo Espiritismo: “Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.”

7)E como você enxerga a fé dentro da sua religião?
Como um efeito de ação e reação. Dentro do plano da razão, não faz sentido ter fé em uma vida melhor, se eu cruzo os braços e fico esperando, que esse mundo apareça, sem os meus esforços. O Espiritismo tem me mostrado, que crer no amor de Deus é importante, mas que fazer a minha parte é fundamental. Ter fé não significa que eu não tenho algo para fazer no resultado que busco. Significa que Deus é amor, mas eu tenho que fazer a minha parte, se não as coisas não acontecem.

8)Você já passou por uma experiência profunda de fé?
Já, várias! Todos os dias eu passo. Diariamente, diante das minhas lutas e das lutas dos que me rodeiam, eu me sustento na fé, que se fundamenta na crença na imortalidade da alma, em um Deus justo e bom, na lei de ação e reação e na transitoriedade da vida.

9)Como o fato de ter fé muda sua vida?
Me faz perceber que, independente de crer, tudo acontece segundo minha necessidade e merecimento. E que a vida ganha novos contornos, novas possibilidades, quando eu identifico que há um Deus bom, misericordioso, que tudo vê e tudo conhece, porém esse Deus, me dotou de livre arbítrio, me dando o direito de acreditar, de ter fé, porque se eu sigo a Lei que Ele estabeleceu, se eu observo os preceitos do amor, eu estou conspirando para que tudo dê certo. E se não der certo, é o aprendizado, uma hora tudo se ajeita.

10)Qual mensagem sobre fé você deixa para os nossos leitores?
Sê de o direito da dúvida, porém vá em busca da resposta. Acredite em Deus, entretanto não cruze seus braços. Enfim, faça a sua parte que o Céu fará a dele. Fé é um sentimento que quando nasce no nosso coração, precisa ser cultivado. E finalizando, quem perde a fé, na verdade nunca a teve. Tinha uma crença infantil que alguma coisa superior do lado de fora, faria o que o interior não acredita. Fé não é algo que vem de fora para dentro, é um sentimento que brota de dentro para fora.

 


PROTESTANTISMO

Pr. Carlos Eduardo
Sou taxista, tenho 43 anos, morador de São Pedro da Aldeia e Pastor da Assembleia de Deus Ministério de Madureira em Praia do Siqueira/Cabo Frio, conferencista e líder do Projeto Familiar “Minha família minha vida”.


1)O que é fé para você?
Fé é o firme fundamento do que não vemos mais esperamos Hb. 11: 01 .

2)Em que você tem fé?
Tenho fé em Deus.

3)Você acredita que a fé pode estar ligada apenas a Deus?
Sim, pois dEle procede todas as coisas. Pv. 4:23

4)Falando em um Deus, qual a sua religião? Você sempre seguiu essa mesma denominação?
Sou evangélico hoje, mas fui católico até os meus 17 anos.

5)Quais os motivos que te levaram a escolher essa religião? Ela de fato expressa sua fé?
Foi em um momento muito difícil de decepção na minha vida, que encontrei a Cristo. Sim, com certeza!

6)Como a sua religião enxerga a fé?
Enxerga como o fundamento de todas as coisas e a base para a salvação.

7)E como você enxerga a fé dentro da sua religião?
A fé é o que move o cristianismo através do sacrifício vicário de Cristo Jesus, e que tem levado muitas vidas a serem transformadas pela fé.

8)Você já passou por uma experiência profunda de fé?
Sim, muitas! Pela fé fui liberto quando me decidi com Jesus, fui curado, vi minhas duas filhas serem curadas de forma milagrosa de uma doença cruel.

9)Como o fato de ter fé muda sua vida?
Quando olho para o passado em vista de hoje, as mudanças que alcancei pela Fé, isso me faz prosseguir firme no propósito pois em nenhum outro devemos colocar a nossa Fé.

10)Qual mensagem sobre fé você deixa para os nossos leitores?
Hebreus 11:6 - Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dEle se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam. Há fatos de tantos males, doenças, tragédias, calamidades entre outras coisas mais, e por não agradar a Deus com sua falta de Fé, a palavra de Deus diz uns confiam em carros, outros em cavalos, mais somente aqueles que fazem Menção na Fé em Deus alcançam a vitória. Que possamos ter Fé naquele que tudo pode, Deus, e não em coisas e nem em quem não pode nada fazer por nós.
Deus abençoe a todos, foi um prazer poder falar neste canal. Pr. Carlos Eduardo

 

 


Quero agradecer aos meus amigos queridos, sempre presentes, Padre Marcos Santanna, Pastor Carlos Eduardo e Allana Costa por dividirem comigo aquilo que sei que é caro para vocês. E depois, meu agradecimento aos meus amigos, sempre generosos e amados, Beatriz Barbosa, Ana Beatriz Ferreira, Rafaella Medeiros e Lucas Leite, que me ajudaram muito nesse processo de entrevista; sem vocês essa matéria linda não seria possível. E, um agradecimento mais que especial, a Izabele, Gabrielle e Marcelo Turra, pela confiança, carinho e, principalmente, pela doação de seu tempo, sua fé, com nosso site. Muito Obrigada!


 

Deixe uma resposta