QUEM SOU? ONDE SOU?

Pertencimento!

Nesses últimos meses, com o extremismo e a polarização que as eleições trouxeram, alguns valores e ideologias ficaram bem claras. Nessa coisa de descobrir preconceitos, vi muitos negros que conheço, muitos mesmo, disseminando ideias racistas. E nem preciso dizer o quanto isso me chocou.

Conversando com uma amiga sobre, problematizamos muito a questão da representatividade do negro, da construção de auto imagem e chegamos a uma palavra importante, identidade.

Ela me dizia o quanto é importante saber quem se é para entender que grupo você representa. Ao longo da conversa, ela me disse ainda que nesse processo de descoberta de si mesmo, você se entende como parte de um todo muito maior. Que suas escolhas e desejos, sua trajetória de vida, seus gostos ou preferencias pessoais, não são o suficiente para descaracterizarem você desse grupo. Você é aquele grupo, você faz parte de uma história coletiva e social. Você faz parte de um conjunto de pessoas que estão, querendo ou não, mergulhadas em uma mesma construção de si mesmo. E, no caso do negro, essa história, essa construção, está marcada na pele.

Justamente por toda essa construção, por todo esse processo, não importa o quão diferente você se sente, se vê ou se distancia desse grupo. Você o é por onde for, você o é sendo quem for.

Eu nunca tinha pensado a realidade social por esse lado. Nunca tinha me permitido entender, de uma maneira tão profunda como essa, que nossa história individual é resultado irrestrito de uma história coletiva. Que somos um produto das escolhas de nossos ancestrais - ou da ausência delas, no caso dos processos de escravidão.

No final da conversa, dormi muito mais viva do que quando acordei. É que não entendi só sobre negros ou sobre representatividade. Entendi sobre pertencimento. E pertencer é algo grande demais para ser esquecido, importante demais para nunca ser aprendido!

 


Um agradecimento especial a Ana Beatriz Ferreira que me sugeriu esse tema, revisou esse texto e, a partir disso, me fez ver a vida de uma forma diferente.


 

Deixe uma resposta